jusbrasil.com.br
30 de Março de 2020

Do sinal de fumaça ao whatsapp. Como anda sua comunicação?

Ter facilidade com a sua comunicação é uma das habilidades mais essenciais para advogados. Infelizmente, ela também é uma das mais negligenciadas pelos profissionais do Direito.

Márcio Manincor, Advogado
Publicado por Márcio Manincor
há 11 meses

Comunicação sempre foi uma necessidade humana e uma das características que mais nos diferenciam dos outros animais. Em tempos de comunicação instantânea, vemos essa habilidade ser cada vez mais essencial e, ao mesmo tempo, difícil de encontrar.

Advogados são conhecidos por sempre ter o que falar, conseguir convencer bem e ter um bom “jogo de cintura”. Esse traquejo, entretanto, quase sempre vem com muito mais suor do que parece. Existem aqueles que têm um talento natural, mas a grande maioria das pessoas desenvolve habilidades interpessoais depois de testar (e errar!) bastante.

Tipos de comunicação

Quando falo em comunicação, já vem logo em mente aquela imagem de um palestrante dando um discurso para várias pessoas, ou mesmo daquele advogado de sucesso que consegue o que quiser na lábia. Mas se comunicar vai muito além de habilidades de oratória ou de persuasão individual.

Existe hora e maneira para tudo. Não adianta achar que você vai conversar da mesma forma explicando um caso para um cliente e fazendo uma sustentação oral; escrevendo um artigo para a internet e contestando uma petição inicial; enviando um email para um colega de trabalho ou para um fornecedor.

Cada uma das situações acima tem um tipo de persona, assim como diferentes objetivos, e é imprescindível ter uma compreensão aguçada acerca de como proceder em cada uma delas. Afinal, é pouco provável que seu cliente vá entender de primeira que o litisconsórcio passivo necessário implica o chamamento uma terceira parte à lide, ou que o sistema saisiner faz com que a aceitação da herança seja mera ratificação da aquisição abstrata.

(Talvez seja mais interessante falar apenas que outra pessoa vai ter que entrar no processo ou que a o herdeiro adquire o direito à herança assim que o dono dos bens falece.)

Entenda seu público

Vou focar aqui na comunicação com clientes. A primeira coisa a fazer para ter uma comunicação efetiva é compreender profundamente o seu cliente e, na dúvida, falar da maneira mais simples possível.

Esse tem sido um dos meus mantras - foco e simplicidade. O simples pode ser mais difícil que o complexo: você deve trabalhar duro para clarear seu pensamento e mantê-lo simples.

Steve Jobs

Simplicidade, em matéria de contato com clientes, é uma virtude raríssima. A advocacia demanda um nível de técnica gramatical muito complexo e nós, advogados, acabamos sucumbindo ao hábito e replicando essa comunicação complicada com nossos clientes. Isso é muito comum, mas deve ser ativamente combatido pelos profissionais do Direito.

Importante frisar que simplicidade é diferente de informalidade ou de desleixo. Você pode falar de maneira direta sem ser desrespeitoso, ser técnico sem ser pedante, e por aí vai! Aqui no Jusbrasil, fizemos um Guia de Estilo, baseado no guia do serviço de automação de emails Mailchimp. As duas empresas trabalham com tecnologia, mas ainda assim dá para ver a objetividade e seriedade dos estilos, balanceando simplicidade e autoridade.

O Sérgio Merola fez um texto bem bacana se aprofundando na comunicação com cliente, onde fala sobre criação de autoridade e comunicação efetiva. É bem bacana, vale dar uma olhada!

Outro tipo de comunicação que advogados devem dominar cada vez mais é a escrita para a internet. A produção de conteúdo é hoje um dos principais ativos dos advogados, afinal, eles são muitas vezes a primeira impressão que os clientes têm dos profissionais. Além de ser um importante cartão de visitas, essa produção de conteúdo também demonstra expertise e auxilia na criação de uma figura de autoridade para o advogado.

Acontece que, se o cliente não entender nada que o advogado escreve em seu blog ou rede social, não vai adiantar de nada! Adaptar a sua escrita para a internet é essencial, e isso passa por escrevê-lo de maneira simples e direta para que pessoas que não são habituadas com jargões jurídicos consigam acompanhar. Um exemplo bom disso é esse texto da Mariana Gonçalves, em que ela fala sobre a compra de apartamentos com dívidas condominiais. Apenas pelo título, já temos uma ideia clara do que vai ser trabalhado ao longo do texto.

Presença Digital

Não é segredo nenhum que a internet transformou de maneira significativa a maneira como nos relacionamos ou como prestamos e consumimos serviços. De curiosidades momentâneas a problemas mais sérios, a primeira coisa que fazemos ao nos deparar com algo que não conhecemos tão bem é fazer uma pesquisa no Google. E não seria diferente para o setor jurídico, não é?

Saber utilizar de maneira adequada a tecnologia pode ser um diferencial competitivo importante e, considerando as restrições publicitárias do setor, a criação de conteúdo voltado para web é ainda mais essencial para advogados. Ter um blog ou site próprio pode ser o fator decisivo entre ser contratado ou não, e manter presença ativa em comunidades como o Jusbrasil, o Jota ou outros portais é a forma mais eficaz de construir uma reputação digital.

Vários negócios têm se adaptado para adquirir boa presença online, mas existem várias habilidade que são essenciais para atingir o sucesso nesse meio e que fogem um pouco da formação tradicional de profissionais do Direito. Para suprir essa necessidade, uma das alternativas pode ser fazer um curso gratuito na Rock Content, ou na Resultados Digitais - empresas especializadas em marketing digital.

Voltando para os números do Google, o gigante de pesquisas recebe cerca de 63 mil pesquisas por segundo - ou 5,6 bilhões de pesquisas por dia. Esse volume de tráfego é enorme e tem sido a causa de sucesso ou de fracasso de vários negócios. Dominar estratégias para conseguir um bom rankeamento e aparecer nos primeiros lugares da página de pesquisa do Google é importantíssimo, e chamamos essa estratégia de Search Engine Optimization (SEO). A Natália, uma das community analysts aqui no Jus, escreveu um texto muito bom sobre isso, com foco na produção de conteúdo jurídico.

Para textos serem bem rankeados no Google, a tech giant leva em conta inúmeros aspectos tanto do conteúdo quanto do site onde ele foi publicado. Aqui no Jus, fazemos um trabalho extensivo de design e de programação para que o site fique bem alinhado com os parâmetros mais levados em consideração do Google, a fim de que os conteúdos mais relevantes aqui sejam também considerados os mais relevantes nas pesquisas da internet. Isso faz com que os dois primeiros resultados da pesquisa de palavras chave como "divórcio" ou "advogado em Salvador" sejam respectivamente artigos e o Diretório do Jusbrasil.

Ah, e é bom lembrar que contamos com uma comunidade de cerca de 3.000 autores publicando por mês para manter esse nível alto!

E você, como tem trabalhado sua estratégia para manter uma boa presença digital?

9 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Excelente texto. continuar lendo

Muito obrigado pelo comentário, @veigamarques!! continuar lendo

Artigo sucinto e que se propõe a esclarecer a fundamental importância da comunicação na advocacia. continuar lendo

Era exatamente esta a ideia, @daniloafm. Obrigado pelo comentário! continuar lendo

Falou tudo.
Ainda chego lá. Rs continuar lendo

É uma luta diária! Pouco a pouco conquistamos incríveis acanços em nossa comunicação, @advogadofabianolira continuar lendo

Muito bom!
Parabéns!! continuar lendo